domingo, 5 de dezembro de 2010

Segredo nas Crianças




Segredo nas Crianças


Para começar, acho necessário definir a noção de segredo. De acordo com vários dicionários, segredo é o que está escondido; o que se oculta
à vista, ao conhecimento dos outros; o que é secreto e que a ninguém deve ser dito. Mas também, dum modo mais complexo, pode definir-se por segredo como algo muito difícil e que exige uma inciação especial (arte ou ciência) para o desvendar.
Falando propriamente dos segredos das crianças, posso começar por dizer que os segredos têm muitas vantagens, porque no próprio desenvolvimento da criança é importante elas terem a noção do segredo. É que, existe uma relação entre a noção de segredo e a tomada de consciência de si como um sujeito dotado de uma vida interior (subjectiva).

E isso, não há dúvida, ajuda a criança a construir a sua intimidade (sua vida íntima) que se baseia num conjunto de normas morais que garantem a sua não- violação. Não é por acaso que os grandes segredos se aprendem, ao fim e ao cabo, com a escola e a sociedade e até uns aparecem nos contos infantis. Por outras palavras, isso significa que a noção de segredo não é inata. É adquirida pela educação, pela experiência, ou seja, é um efeito da socialização.


À medida que vão crescendo as crianças desenvolvem a capacidade de perceber o que se pode ou não contar aos outros e quais são as consequências das suas revelações. Também ganham a percepção da cumplicidade e do valor de uma confidência.
Mas para que essa relação com os segredos evolua de uma forma saudável, é importante que elas percebam que há bons e maus segredos. E que se programar uma surpresa pode ser divertido, esconder algo que os perturba pode tornar-se um fardo pernicioso.

Os segredos bons
Quando uma criança revela um segredo bom, não acontece nada de especial», dizem alguns estudiosos da vida das crianças.

Os segredos bons são saudáveis e têm a ver com confiança com as cumplicidades ou confidências. No entanto, as crianças não sabem discernir o que é contável do que não é contável. Contam o que vêem, o que ouvem aos pais. Quando desvendam alguma intimidade não têm a mínima noção de que podem estar a magoar alguém com a sua inconfidência. Só na terceira infância, entre os seis e os nove anos, começam a perceber que há coisas que não devem contar, dizem os psicólogos das crianças


Os segredos maus

Se há segredos bons, também há segredos maus e essas são as desvantagens dos segredos. Tem-se dito que os segredos maus são como a comida estragada, fazem-nos mal e têm que ser vomitados. Mesmo que haja alguém que insista para não o fazermos.

Para terminar, gostaria de dizer que, por todo o mundo ,passam pelos consultórios dos psicoterapeutas muitas crianças com segredos difíceis de confessar. Há crianças abusadas que são chantageadas e ameaçadas para não contarem «o segredo». «Os miúdos não conseguem guardar os segredos bons, que fazem deles heróis. Mas silenciam aquilo que os faz sentir mais vulneráveis, que os vitimiza». E, para esses casos é necessário ensinar as crianças a revelaram esses segredos, embora maus. É que, no caso de abuso sexual, é importante que as crianças revelem os segredos para se identificar o agressor e, essa é uma das grandes vantagens que as crianças têm em contarem os segredos maus.



Antes de mais, queria dizer que é com muito prazer que estou aqui na rádio Nacional, para discutir um tema tão importante que é sobre o “segredo nas crianças”.
Para começar, acho necessário definir a noção de segredo. De acordo com vários dicionários, segredo é o que está escondido; o que se oculta à vista, ao conhecimento dos outros; o que é secreto e que a ninguém deve ser dito. Mas também, dum modo mais complexo, pode definir-se por segredo como algo muito difícil e que exige uma inciação especial (arte ou ciência) para o desvendar.
Falando propriamente dos segredos das crianças, posso começar por dizer que os segredos têm muitas vantagens, porque no próprio desenvolvimento da criança é importante elas terem a noção do segredo. É que, existe uma relação entre a noção de segredo e a tomada de consciência de si como um sujeito dotado de uma vida interior (subjectiva). E isso, não há dúvida, ajuda a criança a construir a sua intimidade (sua vida íntima) que se baseia num conjunto de normas morais que garantem a sua não- violação. Não é por acaso que os grandes segredos se aprendem, ao fim e ao cabo, com a escola e a sociedade e até uns aparecem nos contos infantis. Por outras palavras, isso significa que a noção de segredo não é inata. É adquirida pela educação, pela experiência, ou seja, é um efeito da socialização. À medida que vão crescendo as crianças desenvolvem a capacidade de perceber o que se pode ou não contar aos outros e quais são as consequências das suas revelações. Também ganham a percepção da cumplicidade e do valor de uma confidência.
Mas para que essa relação com os segredos evolua de uma forma saudável, é importante que elas percebam que há bons e maus segredos. E que se programar uma surpresa pode ser divertido, esconder algo que os perturba pode tornar-se um fardo pernicioso.
Os segredos bons
Quando uma criança revela um segredo bom, não acontece nada de especial», dizem alguns estudiosos da vida das crianças. Os segredos bons são saudáveis e têm a ver com confiança com as cumplicidades ou confidências. No entanto, as crianças não sabem discernir o que é contável do que não é contável. Contam o que vêem, o que ouvem aos pais. Quando desvendam alguma intimidade não têm a mínima noção de que podem estar a magoar alguém com a sua inconfidência. Só na terceira infância, entre os seis e os nove anos, começam a perceber que há coisas que não devem contar, dizem os psicólogos das crianças

Os segredos maus
Se há segredos bons, também há segredos maus e essas são as desvantagens dos segredos. Tem-se dito que os segredos maus são como a comida estragada, fazem-nos mal e têm que ser vomitados. Mesmo que haja alguém que insista para não o fazermos.
Para terminar, gostaria de dizer que, por todo o mundo ,passam pelos consultórios dos psicoterapeutas muitas crianças com segredos difíceis de confessar. Há crianças abusadas que são chantageadas e ameaçadas para não contarem «o segredo». «Os miúdos não conseguem guardar os segredos bons, que fazem deles heróis. Mas silenciam aquilo que os faz sentir mais vulneráveis, que os vitimiza». E, para esses casos é necessário ensinar as crianças a revelaram esses segredos, embora maus. É que, no caso de abuso sexual, é importante que as crianças revelem os segredos para se identificar o agressor e, essa é uma das grandes vantagens que as crianças têm em contarem os segredos maus.

 Katya Samuel

Sem comentários:

Enviar um comentário